Num ano que foi penalizador para a maior parte das empresas e famílias, uma das poucas boas notícias foi a baixa de preço da eletricidade. 2020 foi o ano mais barato desde que há mercado comparável (2007). No entanto, não basta que os preços sejam baixos para que as empresas e famílias disso beneficiem diretamente, só aproveitaram aquelas que renegociaram o seu contrato ou mudaram de comercializador.

Para muitos, mudar o fornecedor de energia elétrica ainda é um terrível monstro. Temem cortes, quebras de potência ou falhas na assistência. Na realidade, como o sistema de abastecimento de energia elétrica está montado, pouco mais muda que quem emite a fatura e a cobra.

Como funciona então o sistema? A eletricidade é uma commodity cotada em mercado aberto (OMIE para os preços do dia seguinte e OMIP para os futuros). A sua produção e distribuição é concentrada nuns poucos, mas a sua comercialização é dispersa por muitos, que o fazem num mercado competitivo. Há 38 comercializadores acreditados pela ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, o regulador do setor) para operar em Portugal. Ainda que nem todos forneçam todos os segmentos, terá seguramente mais de 20 por onde escolher, seja família, empresa grande ou pequena.

Esta abundância de concorrentes faz com que os preços oferecidos em cada momento se ajustem rapidamente às condições de mercado, seja para a subida ou descida.

Como vimos, 2020 foi um ano de preços baixos, pelo que quem foi ao mercado pôde beneficiar. Se não atualizou preços durante 2020, sugiro que o faça agora. Ainda que os preços tenham passado o segundo semestre do ano a subir, continuam em valores historicamente interessantes.

Para quem já tem a boa prática de consultar o mercado todos os anos, o nível de preços continua interessante, quando comparado com os últimos anos. O que se vai passar nos próximos meses dependerá muito não só dos costumeiros fatores produtivos que mexem com o preço (vento, chuva, gás, petróleo, funcionamento das centrais nucleares, licenças de CO2), mas sobretudo pelo comportamento da economia, a grande influenciadora da procura energética.

Como se irá comportar a economia em 2021? Esta é a grande incógnita que só uma afinada bola de cristal poderia revelar. O comediante George Carlin disse “previsão do tempo para esta noite: escuro”. Este horizonte temporal de previsão parece bastante adequado aos tempos que vivemos. Na falta de métodos mágicos, otimizar todos os custos – incluindo os energéticos – é uma aposta segura.

 

pedro amendoeiraSobre o autor: Pedro Amendoeira, é Partner da Expense Reduction Analysts, multinacional especializada na redução de custos, cujos honorários advêm em exclusivo dos resultados gerados.

[email protected]

+351 936 748 303